Thursday, July 03, 2008

A Extraordinária História da Incrível Taça que Fugiu

Hey!

Ontem foi uma noite em que tudo, tudo mesmo parecia dar certo para o Fluminense.

A torcida lotou o estádio, o Rio estava em festa, o time reagiu bem ao gol tomado logo no comecinho da partida e, ao fim do tempo regulamentar, tinha conseguido a difícil tarefa de marcar três gols. Feito que arrastaria pelos cabelos a partida até uma sofrida prorrogação.

Tudo graças à uma atuação brilhante de Thiago Neves. Que se fora do campo foi um profissional questionável quando acertou contrato com o Palmeiras para depois voltar atrás (e nós, palestrinos, tivemos que nos contentar com o garoto Lenny), dentro de campo mostrou que é, sem dúvida, um dos raros jogadores no atual futebol brasileiro capazes de carregar às costas o número 10.

Tudo parecia devidamente encaminhado para uma festa de proporções gigantescas. Tudo parecia dar certo para o Fluminense.

Parecia.

O jogo cauteloso - comum a qualquer prorrogação - e a ida para os penaltis, mataram o tricolor das laranjeiras. Tanto se falou durante a semana da certeza de Renato Gaúcho, da convicção ao dizer que o Flu sairia do Maracanã campeão, de seu quase-discurso dizendo que "se eles fizerem um, faremos dois e se fizerem três, faremos quatro", tanto se martelou a idéia de que se o Fluminense ainda não era campeão era apenas porque os deuses do futebol ainda não haviam se juntado para assistir o jogo, que todo mundo acreditou.

E a estratégia do ex-ponta direita até que funcionou.

Funcionou porque o time transformou essa confiança toda em força de vontade.E a cada gol a confiança se transformava em certeza. Quando Tiago Neves fez o terceiro, ninguém mais tinha a menor dúvida de que o time faria o quarto. Mas o quarto gol não veio.

A certeza do tempo normal virou dúvida na proporrogação. E quando o juiz apitou o fim do jogo e o prenúncio dos penaltis se fez único fato irrevogável no gramado, a dúvida virou responsabilidade. E a responsabilidade virou uma obrigação pesada demais para os jogadores, demonstrada principalmente no choro de Washington ao sair de campo.

Quando questionado sobre o que havia faltado para a vitória, Thiago Neves respondeu que "não faltou nada". E talvez realmente não tenha faltado. O Fluminense correu atrás da taça enquanto teve pernas. No fim, por uma daquelas circunstâncias sobrenaturais que os tricolores conhecem tão bem, foi a taça quem fugiu.

Cheers!

T.

3 comments:

Besteves said...

Ótimo review do jogo de ontem. Não vejo uma partida com tanta vontade de ganhar desde a espanha na final da eurocopa... Mas a fúria ganhou né?

Realmente acho que foi um jogaço, daqueles que realmente mereceu perder mais de duas horas com a monografia para assistir. Resta agora correr atrás das duas horas perdidas...

E zoar os amigos tricolores!

Besteves é Tupi, o melhor time de Minas... pelo menos de Juiz de Fora.

Quaresma, "The" said...

E enquanto isso eu tentava dormir pra não chegar na faculdade meio-acordado-meio-dormindo XD~

João Paulo "Moreau do Bode" said...

E eu ganhei uma graninha apostando na LDU.

Mas o Juiz ajudou a LDU. São coisas do Futebol.
Foda vai ser o grupo se levantar e acordar pro Brasileirão, eles só tem 3 pontos.

É é um número que segue o Tricolor

Fizeram 3 gols, perderam 3 pênatis, 3 pontos no Brasileirão