Wednesday, February 04, 2009

Hora do Exercício - Escrever é Reescrever

Ahoy!

Em primeiro lugar "a César o que é de César": quem disse "escrever é reescrever" - ou pelo menos o autor do texto onde li esta frase pela primeira vez - foi Stephen King, não eu. Muita gente odeia os livros do cara, mas independentemente da qualidade, foi a partir da obra dele que aprendi muito do que sei hoje (o que pode explicar muita coisa sobre a qualidade do meu próprio material, para o bem ou para o mal).

Enfim, "escrever é reescrever" e você vai se lembrar desta frase para o resto da vida, quer ache A Coisa um dos livros mais legais do mundo, quer não.

A maioria dos escritores principiantes - e talvez este seja um dos fatores que dividem "os meninos dos homens", digamos assim - acha que escrever é o simples ato de arrancar uma idéia das profundezas do cérebro, jogar no papel e mostrar para o primeiro infeliz com boa vontade que aparecer pela frente. O que, nos tempos modernos em que vivemos, significa mandar por e-mail para todos os seus amigos, enviar para um grupo de escritores amadores no Orkut (ou em fóruns e listas de discussão) ou postar em um blog bem parecido com este aqui.

Sinto muito, meninos e meninas, mas não é assim que a coisa funciona. Ou melhor: é assim que a coisa funciona, mas não é como deveria funcionar.

"Escrever é reescrever": foi ele quem disse, não eu!

Quando se começa a escrever uma história, a coisa flui de uma maneira cru. Não é o momento para conter idéias, se preocupar com estrutura ou erros de português. É vomitar no papel mesmo. Só que este "vômito" não é sua história. É algo bruto que precisa ser lapidado.

Com a idéia no papel é hora de esquecer que ela existe. Feche o arquivo e ignore-o por uns dias. Há grandes chances de que você se empolgue e queira fazer uma primeira revisão logo após ter escrito sua primeira versão, mas tente se segurar. Nessa hora a gente ainda está apaixonado demais pelas próprias idéias para ter a frieza e o olhar clínico necessários para diagnosticar seus defeitos.

Passado este tempo, retome a história. Agora sim é hora de arrumar os erros de português e organizar a estrutura dos parágrafos. É normal acrescentar novas passagens, aperfeiçoar diálogos, inserir novas idéias e plantar plots que poderão se desenvolver mais para a frente. Feito isso, feche o arquivo e esqueça-o de novo.

Repita o processo alguns dias depois e quantas vezes forem necessárias para que você possa olhar seu texto e ter certeza de que ali está algo bem próximo do ideal. Não acho que exista uma fórmula capaz de indicar uma quantidade exata de revisões. Varia de obra para obra, de autor para autor.

Como nenhuma dica funciona sem um exemplo prático, aqui vai algo baseado (como sempre) no meu próprio trabalho. Trata-se de um trecho do quinto episódio de As Aventuras e Desventuras de Rykaard Ackhenbury (se você ainda não leu, ainda há tempo de recuperar o tempo perdido. Se já leu, deixe seu comentário!) e suas várias versões de acordo com as revisões que fui fazendo. Leia mais de uma vez, se for preciso, prestando atenção às mudanças:


- Primeira Versão

Dessa vez não sei o que aconteceu. Mas não foi comoquando entrei na arca.Havia um caminho de pedras. Isso eu podia ver. Mas não havia placas de sinalização nem casas na beira da estrada. Também não vi plantações ou bichos correndo pra lá e pra cá. A chuva tinha voltado mas, naquela altura do campeonato já não fazia mais diferença mesmo. Minhas roupas já estavam mais do que ensopadas, cortesia di mergulho involuntário pouco tempo antes. E o pior é que eu tinha fome.


- Segunda Versão

Dessa vez não sei o que aconteceu. Mas não foi como quando entrei na arca, disso tenho certeza. Nada de sensação de estar caindo. Nada de luzes. Nada de nada, para falar a verdade. Acho que o que aconteceu quando entrei no caldeirão foi que apaguei.

Acordar foi uma experiência gradual. Primeiro um zunido bem lá no fundo. Depois a percepção de estar deitado, a sensação de gotas caindo na minha cara e finalmente a constatação de que estava deitado na grama à beira de uma estrada de terra enlameada. A colher de ferro firme na mão direita e o medalhão vagabundo pendurado no pescoço.E na chuva. E ensopado.


Onde, exatamente? Ótima pergunta.


Não havia nenhuma placas indicando qualquer caminho. nem casas por perto. Também não vi plantações ou bichos correndo pra lá e pra cá. A primeira coisa que pensei é que em poucos minutos algum grupo de bandidos ou monstros ia aparecer do nada pelo simples fato de eu estar no meio do caminho de não sei onde para lugar nenhum. Afinal, isso é o que a gente ouve falar que acontece com quem se mete nesse tipo de idiotice. Mas para a minha felicidade e para a infelicidade de quem ouve essa parte da história, nada demais aconteceu. Não naquele exato momento pelo menos.


- Terceira Versão

Dessa vez não sei o que aconteceu. Mas não foi como quando entrei na arca, disso tenho certeza. Nada de sensação de estar caindo. Nada de luzes. Nada de nada, para falar a verdade. Acho que o que aconteceu quando entrei no caldeirão foi que apaguei.

Acordar foi uma experiência gradual. Primeiro um zunido bem lá no fundo. Depois a percepção de estar deitado, a sensação de gotas caindo na minha cara e finalmente a constatação de que estava deitado na grama à beira de uma estrada de terra enlameada. A colher de ferro firme na mão direita e o medalhão vagabundo pendurado no pescoço. E na chuva.


Onde, exatamente? Ótima pergunta.


Não havia nenhuma placa indicando qualquer direção ou local. Nem casas por perto. Também não vi plantações ou bichos correndo pra lá e pra cá. A primeira coisa que passou pela minha cabeça foi algo que ouvi uma vez em uma conversa do meu pai com um taverneiro em Altrim: se você se vê sozinho em uma estrada desconhecida, é só uma questão de tempo até que meia dúzia de monstros bizarros apareçam literalmente do nada para te atacar, roubar, destroçar e mais uma porção de coisas desaconselháveis para qualquer pessoa que pretenda ter uma vida longa e saudável. É como uma daquelas leis místicas ou divinas que regem o mundo e foram criadas sabe-se lá por que ou por quem.



- Quarta Versão

Dessa vez não sei o que aconteceu. Mas não foi como quando entrei na arca, disso tenho certeza. Nada de sensação de estar caindo. Nada de luzes. Nada de nada, para falar a verdade. Acho que o que aconteceu quando entrei no caldeirão foi que apaguei.

Acordar foi uma experiência gradual. Primeiro um zunido bem lá no fundo. Depois a percepção de estar deitado, a sensação de gotas caindo na minha cara e finalmente a constatação de que estava deitado na grama à beira de uma estrada de terra enlameada. A colher de ferro firme na mão direita e o medalhão vagabundo pendurado no pescoço. E na chuva.


Onde em Arton, exatamente? Ótima pergunta. Não havia nenhuma placa indicando qualquer direção ou local. Nem casas por perto. Também não vi plantações ou bichos correndo pra lá e pra cá.

A primeira coisa que passou pela minha cabeça foi algo que ouvi uma vez em uma conversa do meu pai com um taverneiro em Altrim: se você se vê sozinho em uma estrada desconhecida, é só uma questão de tempo até que meia dúzia de monstros bizarros apareçam literalmente do nada para te atacar, roubar, destroçar e mais uma porção de coisas desaconselháveis para qualquer pessoa que pretenda ter uma vida longa e saudável. É como uma daquelas leis místicas ou divinas que regem o mundo e foram criadas sabe-se lá por que ou por quem.


Percebam como o texto vai do caos da primeira versão (tirada do meu caderno de anotações, quando o episódio quatro ainda não estava sequer definido ainda) e passa por mudanças sutis de termos, idéias e quebras de parágrafos até chegar à versão definitiva.

Se você acha difícil adquirir o hábito da revisão, aqui vai uma dica: compre um caderno, uma caneta (lápis, nunca) e passe a usá-los na hora de escrver a primeira versão de seu roteiro ou conto. Isso vai obrigá-lo a reler o texto na hora de passar para o computador, garantindo ao menos uma revisão.

O que já é muito bom, mas ainda está longe do ideal.

Cheers!

T.
PS. o texto deste artigo foi revisado cinco vezes, antes de ser postado.;)

10 comments:

Fellipe Arcano said...

Belo Artigo Trevisan!
Meus parabéns...boas dicas para quem no mínimo quer tentar escrever/reescrever um conto ou história!(Like me!!!).

Armageddon said...

Eu sigo mais ou menos nessa linha também. As vezes, quando o lance é mais caprichado ou megalomaníaco, imprimo uma cópia depois das primeiras revisões e leio em voz alta pra mim ou pra minha esposa-cobaia.

Geralmente umas partes toscas surgem nessa leitura. Ouvir o próprio conto é legal (e também entrega muita palhaçada que a gente escreve sem notar heoheo)

Mestre Emilson said...

Muito legal o artigo. Agora entendi o proque de eu nunca concordar com um artigo que eu tinha escrito e depois de alguns ao reler achava tudo errado.

Valeu!

Fernando Armesto Baroni said...

Opa, sou eu, o Pickles, adiciona meu blog aí na sua lista, lá vai - http://smillingdollies.blogspot.com/

Leonel "Greed" said...

putz, eu reviso só duas vezes o texto, e mais uma que quem revisa são minhas cobaias XD

grande texto, adoro a hora do exercício. o/

olethros said...

excelente artigo Trevisan....

Kendi said...

Muito bom cara. Pela primeira vez pude ver a sua técnica de revisão que você falava.
Só uma coisa, você escrve sempre assim? kkkk,brincadeira.
Abraço

Bruno said...

Eu sou meio anal-retentivo com essa coisa de revisão. Às vezes até quando é só um continho de um parágrafo, ou nos casos mais extremos até pra fazer um post em forum, eu releio ele umas cinco ou seis vezes pelo menos antes de tacar no ar, e mesmo assim eu ainda reviso e modifico eles durante os três ou quatro dias seguintes à publicação no blog =P E ainda depois disso, qdo por acaso volto a ler o material uns meses depois, continuo com vergonha do que escrevi...

(PS: reli e revisei umas três vezes esse comentário...)

Fernando Aoki said...

Obrigado pela aula, Zé Mauro!

Não é um tanto irônico alguém que já te ensinou voltar até você para aprender com seus ensinamentos?

Abraços!

João "o escriba" Brasil said...

Muito bom cara...

Logo que o forum da Jambo foi inaugurado eu postei um conto e tu foste um dos primeiros à comentá-lo. Naquela ocasião tu me disseste a mesma coisa. Depois li a mesma coisa no prefácio da Torre Negra (do Stephen King, na edição revisada)

É o tipo de frase curta e simples, mas que está cheia de sentido, principalmente para quem tem vontade de produzir algo escrito.

Muito aprendi com esse simples exercício de desconstrução e reconstrução do texto.