Friday, February 15, 2008

Clube dos Cafajestes

Ei!

Entra ano, sai ano e - infelizmente - as coisas não mudam.

Quisera eu jamais ter que citar o nome da Editora Talismã (agora Melody) ou de qualquer um dos envolvidos nessa "entidade", que se não pode ser chamada de gangue propriamente dita, pode ser enquadrada como clube. Um clube de cafajestes.

Se alguém ainda se lembra, fechei um acordo dentro do processo trabalhista que movi contra a editora, em setembro de 2006. A quantia a ser paga foi dividida em prestações. Os pagamentos seguiram com regularidade até a penúltima. A partir daí, nenhuma satisfação ou esclarecimento.

Segundo o acordo fechado e assinado pelo Sr. Ruy Pereira, o atraso ou não cumprimento do mesmo previa uma multa de 60% sobre o valor total. Ciente disso, minha advogada solicitou a execução da penalidade.

O procedimento normal nestes casos é: o juiz manda vasculhar as contas da pessoa e ordena o saque e pagamento automático da quantia. O que descobrimos essa semana é que o Sr. Ruy não possui mais contas ativas ou - se tem alguma - não possui a quantia estipulada pelo acordo.

O que deve acontecer na sequência é uma visita de um oficial de justiça, que irá penhorar bens do infeliz mais ou menos no valor da quantia a ser paga. Depois estes bens vão a leilão e a quantia é revertida para este que vos fala.

O problema é que, além de alguns impedimentos que podem dificultar até mesmo esta ação, todo o processo de penhora e leilão é bem demorado. E, para completar, dificilmente o valor arrecadado atinge o valor da dívida.

Enquanto isso, a editora continua em atividade com outro nome, sob administração da Teresa, irmã do Ruy. Fica difícil não desanimar.

Vale lembrar que desde 2005 não recebemos qualquer valor referente a direitos autorais, embora nossos livros ainda possam ser adquiridos pelo site da editora.

É uma situação desagradável que já dura três anos e não tem data marcada para acabar.

O engraçado é ver o pessoal no Orkut considerando alguma culpa da administração da editora nessa lama em que se tranformou a Dragão Brasil só agora que o Sílvio saiu da revista. Sendo que a gente vem falando, explicando e provando tudo isso desde que toda essa zona começou.

Bem, bola pra frente, vamo que vamo and all that shit.


Cheers!

T.

6 comments:

Anonymous said...

Realmente, a justiça é foda neh =/. Boa sorte com o processo.

Tiago Lobo said...

Cara, a editora em questão é uma bagunça e não gosto de dizer coisas desse tipo, mas espero que vão pro saco logo, logo!

Até a Guitar Player vem perdendo qualidade.

Sem contar que o Silvio pulou fora da DB e a editora até hoje não deu um parecer pra ele sobre o caso...
Completamente absurdo!

Armageddon said...

Nem é questão de gostar de falar ou não. Empresa que não paga funcionário tem mais é que se danar mesmo.

Anonymous said...

:_(

JMTrevisan said...

A treta pra mim é que quando a gente saiu uma pá de trouxa e desavisados fez pouco caso e o cacete quando a gente reclamou da editora e contou o que aconteceu. Agora que o Sílvio saiu fica essa história de povo dizendo "é...realmente a editora não presta" e blablabla. Como se tudo tivesse começado agora.

Armageddon said...

hauhau é que depois da terceira vez seguida até o mais desavisado já tá sabendo que é fria.

Trabalhei em empresa pilantra uma vez e sei que é foda. Registra a firma no nome do filho, do cunhado, da empregada... dizem que nunca tem dinheiro, quem merece receber a grana fica na mão e o dono malandro troca de carro todo ano.