Tuesday, December 02, 2008

Review - Scott Pilgrim

Hullo!

Não é raro ouvir críticas sobre a mesmice do quadrinhos norte-americanos (ou "comics"). Falta inovação, falta variação, faltam novas formas de se produzir, editar e publicar.

Já os mangás, os quadrinhos japoneses, são louvados por tudo que - em teoria- falta nas obras norte-americanas.

Scott Pilgrim chama a atenção justamente por corrigir as deficiências de uma, se utilizando dos méritos da outra. E o resultado é uma obra híbrida da melhor qualidade: temáticas tipicamente norte-americanas com a mistura insana de cotidiano e exagero surreal característica dos nipônicos.

A história é, a princípio, bem simples.

Scott é um rapaz de vinte poucos anos que começa a namorar Knives Chau, uma garota de dezessete. Scott também tem uma banda (chamada Sex Bob-Omb) e divide a casa (e o único colchão) com o amigo gay, Wallace Wells. Tudo vai muito bem, até que o rapaz conhece Ramona Flowers, se apaixona perdidamente e termina com Knives.

O problema é que para namorar Ramona ele precisa enfrentar os "Sete Ex-Namorados Malignos" da garota, em batalhas que lembram muito as dos videogames de luta. Com direito a Power-Ups e Itens deixados pelos oponentes derrotados.

O que torna Scott Pilgrim especial é justamente essa mistura de diálogos de filme indie, referências a videogames e tecnicas de mangá. Na mão de alguém menos competente, tinha tudo para dar errado.

E a série não é ousada só na proposta. Ao invés de publicar sua história em edições mensais, Bryan Lee O'Malleys lança um álbum de cerca de 200 páginas em formato preto-e-branco por ano. E é só. Serão sete volumes até que a história termine (foram quatro até o momento).

Como não podia deixar de ser, Hollywood já garfou os direitos cinematográficos de Scott Pilgrim. O ator escalado para interpretar o protagonista é Michael Cera (Juno) e o filme tem estréia prevista para 2009. Se eu fosse você, não esperava até lá...

Cheers!

T.

4 comments:

Lancaster said...

Acho o primeiro volume meio fraco, mas como no volume seguinte a série tem um power-up e logo logo fica genial, está perdoado. Scott Pilgrim é obrigatório!

Garrell said...

O traço lembrou pra caramba o do Gorillaz. Seria o mesmo?

Valeu a dica. Vou procurar!

Leonel said...

Garrel: nah. O cara do Gorillaz é o gênio Jamie Hewlett, que fez a magnífica HQ indie dos anos 80/90 Tank Girl. Eu aconselho ir atrás de Tank Girl, tenho os dois volumes encadernados, é bom pra caralho.

Miltão said...

Na fissura pra ler isso. Cansei de mega sagas.